Connect with us

10 influências da colonização germânica para conhecer e apreciar em Petrópolis

História

10 influências da colonização germânica para conhecer e apreciar em Petrópolis

Da arquitetura e religião à culinária

Primeiros colonos de Petrópolis, os germânicos contribuíram não simplesmente para edificar a cidade com sua mão de obra, mas para construí-la nos campos da cultura, história, gastronomia e arquitetura. Que tal resgatar alguns aspectos trazidos por eles e que, até hoje, podem ser conhecidos e apreciados?

1- A religião

Talvez você não saiba, mas a Igreja Luterana é o templo religioso mais antigo de Petrópolis, construído graças a contribuições de imigrantes germânicos e seus descendentes na cidade. A pedra fundamental da referida igreja é datada de 1862, 14 anos antes da Catedral São Pedro de Alcântara.

Foto: Bruno Ferreira Soares

2- A encantadora arquitetura

Construções que empregam o uso de hastes de madeira são tipicamente germânicas e, em Petrópolis, não é difícil encontrá-las. Elas estão nos prédios da 13 de Maio e no antigo endereço da Caixa Econômica Federal, em frente à Praça Dom Pedro, por exemplo!

Foto: Reprodução/Ana Lima – Grupo Amigos de Petrópolis

3- As danças típicas

Não tem evidência melhor disso do que a Bauernfest: um evento que promove uma imersão na música, dança, culinária e trajes dos colonos germânicos. Hoje, são sete grupos folclóricos atuantes na cidade: Bauerngruppe, Bergstadt, Blumenberg, Kaiserstadt Kulturkreis, Mosel, Petrópolis Danças Folclóricas e Rheinland-Pfalz.

Foto: Bruno Ferreira Soares

4- A fantástica culinária

Cuca, croquete, salsichão, joelho de porco! Habitada por italianos, portugueses, árabes, germânicos, entre tantos outros, Petrópolis tem em seu paladar uma das fortes heranças deixadas pelos primeiros colonos.

Fotos: Arquivo/Sou Petrópolis

Na cidade, alguns dos restaurantes especializados na cozinha alemã são:

Casa do Alemão: @casadoalemaooficial

Pavelka: @pavelkaoriginal

Família Scharder: @familiascharderessen

Empório Germânico: @emporio.germanico

Pepper Bar: @pepperbaritaipava

Casa Brüder: @casa.bruder

5- Os corais

Não é à toa que Petrópolis é lar do coro de meninos mais antigo do Brasil! Um dos principais hábitos tidos pelos colonos era cantar em corais, e a Cidade Imperial sempre teve neles uma de suas grandes especialidades. A Sociedade Coral Concórdia, por exemplo, foi fundada em 1863 por irmãos alemães.

Foto: Divulgação/Canarinhos

Curiosidade: até o ano de 1936 o Coral Concórdia possuía um coral de alto gabarito, chegando a receber o Imperador D. Pedro II para animadas apresentações.

6- O apreço pela cerveja

Capital Estadual da Cerveja, Petrópolis mantém a tradição e o pioneirismo na produção da bebida. Lar da cervejaria mais antiga do Brasil – a Bohemia – foi na cidade que, em 1853, o colono Heinrich Kremer ingressou no ramo cervejeiro e passou a produzi-la em larga escala na cidade.

Foto: Museu Imperial/Ibram/MinC

7- O envolvimento com a madeira

Polo moveleiro, Petrópolis continua a dispor de gerações de famílias de colonizadores envolvidas na serralheria, na produção e restauro de móveis: um trabalho que requer cuidado, atenção e tempo, tal qual faziam os primeiros moradores.

Foto: Bruno Ferreira Soares – Museu Casa do Colono

8- A confeitaria

Seja nas padarias ou confeitarias, pode ter certeza de que os colonos também se fazem presentes nas doces receitas de pães, bolos e biscoitos que habitam a cidade. Vide a Casa do Alemão, o Katz e a Willemsen: todas elas retratos das famílias e terras de origem dos fundadores!

Foto: Arquivo/Sou Petrópolis

9- O monumento do Obelisco

No coração de Petrópolis, o Obelisco traz 361 nomes das 456 famílias de colonos que chegaram a Petrópolis entre 29 de junho de 1845 e 31 de dezembro de 1846. Inaugurado em 1957 pelo presidente Juscelino Kubistcheck e pelo então prefeito Flávio Castrioto, o monumento representa a eternização de uma importante parte da história local.

Foto: Renan Piva

10- O Museu Casa do Colono

Última casa germânica remanescente em Petrópolis, a Casa do Colono, construída em 1847, foi residência de famílias de colonos – a primeira delas a Kaiser. O acervo do local é de cerca de 336 peças doadas por descendentes dos imigrantes e evidencia o estilo de vida simples da época.

Foto: Bruno Ferreira Soares

Além desses, com quais outros aspectos relacionados à colonização germânica você costuma se deparar hoje na cidade? Conta pra gente nos comentários =)

Veja também:

Continue Reading

Você também vai gostar

Subir