Connect with us

8 fatos e curiosidades que você talvez não saiba sobre a Bauernfest em Petrópolis

História

8 fatos e curiosidades que você talvez não saiba sobre a Bauernfest em Petrópolis

Festa que celebra e preserva os costumes germânicos, a Bauernfest também é uma enorme comemoração da história de Petrópolis! Prestes a realizar sua 33ª edição, confira alguns fatos e curiosidades sobre a Festa do Colono Alemão:

1- A festa tem como palco principal o mesmo local onde se reuniam os colonos no passado

Não é à toa que o Palácio de Cristal sedia a maior parte da programação da Bauernfest. Era naquele mesmo trecho que, antigamente, os colonos – residentes de diferentes bairros – se reuniam para matar a saudade uns dos outros aos domingos. Primeira edição depois da pandemia, já podem se esperar muitos reencontros!

Foto: Edgar Pujol

2- A Bauernfest já teve outros dois nomes

Festival Germânico, depois Festa do Colono e, por fim, Bauernfest. Independente do nome, é seguro dizer que, desde 1983, quando foi realizada pela primeira vez, a festa coleciona memórias e histórias que a consolidam como muito mais do que um festival de chopp e chapéus enfeitados.

Foto: Divulgação/Clube 29 de Junho

3- Festa é a segunda maior do gênero no país

Atrás apenas da Oktoberfest, de Blumenau, a Bauernfest evoluiu de um festival cuja primeira edição reuniu apenas 3 barraquinhas – uma de doce, a outra de pratos salgados e uma última de bebidas – para um dos maiores eventos a nível nacional. Em 2019 a festa bateu recorde de público com a 450 mil visitantes!

Foto: Serra Drone

4- Mas, afinal, o que significa “Bauernfest”?

No portal oficial da Festa do Colono Alemão, disponibilizado pela Prefeitura, consta que a festa foi nomeada em homenagem a um dos fundadores do Clube 29 de Junho: o historiador Gustavo Ernesto Bauer, que também foi o criador do Museu Casa do Colono.

Edição de 1991. Foto: Divulgação/Prefeitura de Petrópolis

Interessante: além disso, o prefixo Bauer, em alemão, significa agricultor, o que também incorpora ao nome e ao evento a valorização dos primeiros colonos, que contribuíram para construir a cidade nos mais diversos campos e áreas de atuação.

5- De doze dançarinos a sete grupos folclóricos

Uma das primeiras iniciativas do Clube 29 de Junho foi a criação, em 1961, do “Grupo de Danças Antigas”, composto por 12 casais que apresentavam suas polkas, valsas, schottisch, mazurkas e rheinländer – danças trazidas pelos colonos e que caracterizavam os bailes daquela época.

Foto: Divulgação/Prefeitura de Petrópolis

Hoje, Petrópolis conta com sete diferentes grupos folclóricos que participam ativamente da Bauernfest. São eles: Grupo Folclórico Germânico Bergstadt, Bauerngruppe Danças Folclóricas Alemãs de Petrópolis, Mosel Volkstänze de Petrópolis, Rheinland Pfalz Danças Folclóricas, Kaiserstadt Kulturkreis, Petrópolis Danças Folclóricas e Blumenberg Volkstanz.

6- Danças retratam o cotidiano dos primeiros colonos

Quem acompanha as apresentações dos grupos folclóricos vai notar que cada movimento é muito bem pensado! Dessa forma, é possível notar que as danças representam o cotidiano dos colonos e as atividades a que eles estavam relacionados, como os próprios moinhos e teares!

Foto: Bruno Ferreira Soares

7- Primeira dançarina da Bauernfest

A faixa fala por conta própria: com mais de 30 anos de experiência, Maristela Esch é a primeira e mais antiga dançarina da Bauernfest. Ela conta que sua inserção no primeiro núcleo de dança folclórica se deu em 1990: a iniciativa do Clube 29 de Junho foi anunciada no alto-falante da Festa do Colono e foi ela a 1ª a se inscrever.

Foto: Reprodução/Facebook Bauerngruppe

8- Para descontrair: como se escreve mesmo?

Por fim, para descontrair, não é de hoje que se tem dificuldade em soletrar Bauernfest. Acontece que, em 1990, o próprio material de divulgação da festa saiu sem a letra N no nome. O episódio é um bom lembrete do quanto a Bauernfest cresceu e amadureceu ao longo dos anos.

Foto: Arquivo pessoal Maristela Esch

Veja também:

Continue Reading

Você também vai gostar

Subir